Tema Livre
A Influência da Religião Cristã na Sociedade

 Publicado em:  25/6/2008 


A Influência da Religião Cristã na Sociedade

Durante alguns séculos a religião tem exercido grande influência na sociedade, mostrando sua importância através da sua função moral. Tem-se perguntado sobre a relevante influência da religião na sociedade, sobre a busca tão incessante pela religião e sobre o que a religião pode fazer pelo ser humano.

Através da realização de uma pesquisa bibliográfica numa abordagem qualitativa, compreende-se que a religião desenvolve e conserva princípios morais de importância vital para a sociedade contemporânea.

Esses princípios são congruentes a uma base que os sustenta e esta base é a Bíblia, pois, através de seus ensinamentos há uma formação e aprimoramento do caráter pessoal. Assim, a religião é de grande importância para os fundamentos da moral de uma sociedade, porque exerce no aspecto educacional o senso de comprometimento com o desenvolvimento físico, moral e intelectual do ser humano.

Nesse contexto, aparece o discurso da religião como fator de desenvolvimento e condição para melhoria da qualidade de vida de todos os cidadãos. De maneira evidente, a religião está presente como uma peça-chave no desenvolvimento socioeconômico e na superação de muitos problemas (a despeito do que dizem os idealistas do evolucionismo).

Certamente existe grande conscientização da importância da religião na vida do ser humano como meio de desenvolvimento e conservação dos princípios morais que proporcionam mudanças e estabilidade na sociedade contemporânea.

A sociedade necessita de aprimoramento do caráter individual e de um comprometimento com o desenvolvimento físico, moral e intelectual. Diante dessa situação, pergunta-se: qual a influência da religião na sociedade? Por que há uma busca tão incessante, da parte de muitas pessoas, pela religião? O que a religião pode fazer pelo ser humano?

A religião está voltada para a formação do indivíduo com o objetivo de aperfeiçoar o caráter, assim, passa a exercer grande influência em sua vida social, proporcionando (ao mesmo) de muitas maneiras, formas para um melhor desenvolvimento físico, mental, social e espiritual.

Dessa maneira ela é de grande importância na busca constante pela qualidade de vida, proporcionando ao indivíduo uma compreensão crescente e critica da realidade, na superação de obstáculos e ampliação da compreensão do sentido do que se faz, se pensa e sente, possibilitando ao mesmo o aperfeiçoamento e desenvolvimento do caráter através dos fundamentos da moral com base bíblica.

Assim quando a religião está associada à vida do ser humano passa a ser parte de seu dia-a-dia e o possibilita a interagir com mais cautela, sabedoria, amor e paciência no meio em que vive; trabalhando com base em princípios morais fundamentados na Bíblia. Ela auxilia o indivíduo na construção de sua identidade, do seu caminho pessoal e profissional, para que esta pessoa cresça e torne-se um cidadão realizado e participativo na sociedade em que vive.


A Importância da Religião

Fazendo parte de uma liderança religiosa, pode-se diariamente observar as mudanças operadas na vida de muitas pessoas através da aceitação de Deus em suas vidas.

Através da observação, surgiram alguns questionamentos sobre a influência que a religião exerce na vida do ser humano e sobre a necessidade e busca de uma religião e o benefício que esta proporciona às pessoas, assim, houve a realização de estudos teóricos sobre a temática religião e sociedade.

Através de uma pesquisa, descobriu-se que durante alguns séculos tem-se discutido de maneira muito rígida a questão RELIGIÃO e FÉ. Os evolucionistas desenvolveram sua teoria e apresentam a mesma de maneira convicta e com veemência dentro do espaço educacional fundamental, médio e superior; teólogos desenvolvem a cada dia novas teorias hermenêuticas e litúrgicas dentro de seus campos de ação (igrejas e seminários); estadistas oscilam entre o mais conveniente para seu momento político ora se colocando a favor de todas as religiões ora se apresentando de maneira neutra.

Por outro lado, há um grande numero de pessoas que de certa forma pensam poder fazer suas escolhas e decidirem sua própria linha de pensamento, mas parece não ser tão simples assim (o que evidentemente não é simples). Há um grande grupo de intelectuais em muitas áreas que trabalham arduamente no sentido de direcionar e redirecionar pensamentos, levando muitos indivíduos a pensarem o que estes querem que pensem. Entre os mesmos se destacam os intelectuais do campo religioso, que têm sido pertinentes no trabalho evangelístico, levando as pessoas a estarem dentro de uma mesma linha de pensamento no que se refere à salvação e comunhão da graça e participação das bênçãos de Deus.

Todavia observa-se que muitas pessoas procuram a religião como algo essencial em suas vidas. Pergunta-se: porque uma busca tão incessante pela religião em um meio globalizado e científico e a despeito de ter-se o conceito evolucionista em pauta na educação da sociedade brasileira? Pode a religião possuir relevante influência na sociedade? Quais os benefícios proporcionados pela religião na vida do ser humano?

Certa vez em uma sala do Seminário Latino Americano de Teologia na Faculdade Adventista da Bahia, um jovem perguntou ao Professor Walvetrude Andrade: “Deus é uma realidade, ou uma necessidade para o ser humano?” O professor respondeu: “Depende de sua fé. Deus pode ser uma necessidade ou pode ser uma realidade, também pode ser as duas coisas”.

Segundo Jomar Morais (2002), dentro da estrutura biológica do cérebro humano existe uma parte designada ao serviço de adoração chamada de “sistema límbico”. Diz ele: “Ninguém precisa ser religioso para ter uma experiência transcendental” (MORAIS, 2002, p.61).

Jomar (2002, p. 63) em parte de sua conclusão diz e afirma que os “rituais religiosos, sendo conseqüência natural ou da evolução humana ajudaram a reduzir a agressividade dos membros do grupo e a estabelecer laços sociais fortes entre eles. Evitam a dispersão e facilitam o esforço coletivo como nenhum outro recurso”.

Esta mesma linha de pensamento é discutida por Vince Rause na revista Seleções de Abril de 2002. Rause não afirma categoricamente a existência de Deus, mas também não afirma e inexistência de Deus, apenas diz que pode ser uma realidade. E que o ato de adoração se interpreta como necessidade inerente ao ser humano.

Desde uma perspectiva imparcial a religião tem o poder de gerar entre diferentes classes, um ponto incomum dentro de um grupo ou vários grupos de uma mesma sociedade. Este ponto incomum funciona como um momento de reflexão, cumplicidade, harmonia e benevolência social. E apesar das diversas formas, a liturgia desenvolve um sentimento de gratidão e companheirismo; um fenômeno que leva as pessoas a desenvolverem também amizades melhor estruturadas e cumplicidade nas reflexões e no comportamento moral e social.

Evidentemente entende-se que a religião cristã (cuja base é a Bíblia Sagrada) é de importância singular para suscitar o bem-estar na sociedade (do mundo cristão).

Há uma busca constante por grande parte das pessoas pela religião, especificamente no Brasil, pois, no contexto social em que se vive no Brasil, com todas as dificuldades e problemas, o homem oscila entre o mais conveniente para sua vida financeira, social e sentimental e assim muitos buscam apoio na religião, que evidentemente para muitas pessoas passa a ser (as igrejas) um momento de convívio social e trocas de diversas maneiras, ao passo que outros procuram a Deus para seu conforto de consciência e adoração. Mas algo é certo e tem atravessado os séculos sem alteração; a necessidade de adorar e buscar felicidade e paz.

Aqui se fala de algo extremamente questionado, FELICIDADE. Onde está a felicidade? Outra questão de muita importância é a PAZ. Onde está a paz?

É inquestionável o fato de que milhões de pessoas de todas as classes afirmam não encontrar felicidade e paz fora do meio religioso. É certo que muitos não pensam desta forma, mas a maior parte das pessoas acreditam, buscam e afirmam ter encontrado a felicidade e a paz através da religião.

Isso permite entender que a necessidade de adoração quando suprida proporciona resultados espetaculares entres aqueles que crêem (dentro de sua forma de pensamento e crença) em Deus e em sua manifestação através da Liturgia (ritual religioso).


Os Grandes Benefícios da Religião

Dessa maneira, tomando em consideração o ato litúrgico dos rituais pode-se dizer que Deus é uma necessidade ao ser humano. E esta quando bem desenvolvida promove harmonia, amizade, e uma cumplicidade de confiança e segurança na sociedade. Apresenta-se então um ponto demasiadamente importante a considerar positivamente no aspecto religioso, pois, este auxilia o indivíduo a ter consciência do seu papel social para que possa agir como um cidadão que trabalha para valorização própria e coletiva.

Questões como: amizade, companheirismo, confiabilidade, fidelidade, responsabilidade, preocupação com a educação, respeito ao próximo, respeito às leis sociais, amor, matrimônio (que é o centro de uma boa educação no desenvolvimento da personalidade), e tudo o que se refere aos princípios morais de uma sociedade são clara e fortemente trabalhados pela religião na sociedade sem barreiras e preconceitos.

Normalmente os ensinos de um líder religioso são propagados como mandamentos inquestionáveis para os laicos. Independente de ser bom ou ruim o poder de influência que possui um líder religioso é muito forte, e este quando o usa com o fim de reabilitar questões morais como respeito, responsabilidade e comprometimento social, causam grande mudança no meio social de seu grupo de liderados.

Então, quando se tem um líder sábio e bem preparado, e laicos desejosos de se unirem em um mesmo pensamento (filosofia) religioso (a) (o que pode ser chamado de ritual religioso ou litúrgico) se desenvolve um senso coletivo de unidade e cumplicidade, onde o pensamento geral tem um mesmo fim, e os ensinamentos são aceitos sem barreiras e preconceitos. Este é um momento quando o líder religioso exerce muito poder sobre seus laicos podendo assim definir ou redefinir comportamento moral, ético e social de seu grupo.

Pode-se sem dúvida dizer que o estado e a sociedade em geral são beneficiados pela religião com seus líderes religiosos, pois através de seus esforços e dedicações têm-se desenvolvido em grande relevância o aspecto da formação e educação do caráter nas bases de uma sociedade estável, as famílias. Principalmente em relação com a integridade moral, física, social e espiritual do ser humano.
É certo que se deve respeitar todas as formas de pensamentos e teorias quando estas contribuem para o desenvolvimento intelectual, físico e social do ser humano, no aspecto educacional de desenvolver o senso de comprometimento com os deveres sociais.

É verdade que as religiões do mundo cristão têm sua base na Bíblia; e esta possui todos estes princípios citados, inerentes aos seus ensinamentos.

Este livro (a Bíblia) pode levar muitas pessoas ao que se chama “transformação de vida”. Seja sincero ou não as pessoas envolvidas na religião possuem mais equilíbrio, responsabilidade e comprometimento em suas finanças e em muitos outros aspectos sociais.

Para muitos a religião não passa de uma subjetividade filosófica e teórica, mas na estrutura real e funcional se apresentam compromissada com as responsabilidades sociais, morais e espirituais. Muitas pessoas que poderiam estar nas drogas, marginalidade e desprezo social estão procurando estar entre os que praticam um perfil sensato de vida pessoal através de sua devoção constante a Deus.

Assim, a religião auxilia a conter os ânimos de muitas pessoas que sem um governo de consciência poderiam se afundar na marginalidade; e ao mesmo tempo leva-os a busca de crescimento e competitividade social.

Em outras palavras, a religião busca o marginal, educa o mesmo e o faz desejar o sucesso financeiro e social (obviamente religião não é algo apenas para se aplicar aos marginais, a religião é para todos os que apreciam o aspecto adoração e certamente exercem sua devoção litúrgica). Este é motivado a se desenvolver na educação, buscando completar os estudos e ingressar numa faculdade quando a pessoa é jovem. Quando mais maduro, o mesmo é levado a buscar trabalho. E em muitos casos várias pessoas são ajudadas em suas necessidades.

Enfim, no círculo religioso as pessoas se envolvem mais em compromissos sociais e contribuem, como num programa social, para que todos possam ter e participar de uma vida melhor.


Autores:

*Durlane Rezende Pedroso - bacharel em Teologia e pós-graduação em Ciências da Religião (cursando). Cursando também psicanálises.

*Sandra Gramilich Pedroso: licenciatura em Pedagogia, pós-graduada em Planejamento Educacional, pós-graduada em Gestão Escolar e Mestranda em Ciências da Educação.


Bibliografia:

BARROS, Aidil de Jesus Paes; LEHFELD, Neide A. de Souza. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. 16. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990. 128 p.
HARE, John; REIS, James Monteiro. Por que ser bom?: uma reflexão sobre filosofia moral. São Paulo: Vida. 2002. 269 p.
INÁCIO FILHO, Geraldo. Monografia nos cursos de graduação. 3. ed. Uberlândia: Edufu, 2003. 206 p.
MORAIS, Jomar. Programado para a fé. Revista Super, São Paulo, ano 8, n. 320. p 58-63, agosto. 2002.
PEREYRA, Mario; ESPINOSA, Enrique. La posmodernidad desd La perspectiva profética. Entre Rios: Libertador San Martin, 2000. p 53-67.
RAUSE, Vince. Em busca do divino. Revista Seleções, Rio de Janeiro, p 48-53, abril. 2002.
ROTH, Ariel A.; BRITO, Azenilto G. (Trad.). Origens: relacionando a Ciência com a Bíblia. 2.ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2003. 382 p.
 

IMPRIMIR PÁGINA | FECHAR PÁGINA