Michelson Borges
O Poder da Oração Intercessória

 Publicado em:  15/8/2008 

O Poder da Oração Intercessória

O carro verde estaciona no shopping. Dentro dele está um casal de meia-idade com a mulher ao volante. Assim que estacionam, o marido diz:
– Mary, você terá que girar a chave para que eu possa subir o vidro elétrico.
– Jim, você é um imbecil! Eu já lhe disse cem vezes para subir os vidros enquanto o motor ainda está funcionando. Será que você nunca vai aprender?

O homem abre a boca e um vendaval de palavras jorra para fora, uma mistura de sacro com profano de tal nível que a mulher não poderia deixar de entender que as suas palavras haviam tocado num ponto sensível. Ficando mais e mais irado, ele a acusa de estragar o que estava sendo um dia perfeito, por não conseguir ficar com a boca calada.

Próximo o suficiente para ouvir toda a conversa, Roger Morneau pensa: “Que homem perverso!” E imediatamente ora: “Jesus, por favor, perdoa-os. Pelo grandioso poder do Teu Santo Espírito, por favor, repreende as forças demoníacas que estão oprimindo a mente deles, e abençoa a vida deles com a doce paz do Teu amor.”

Naquele instante, a tempestade verbal cessa. Por uns 20 segundos ambos permanecem calados, e em seguida o homem quebra o silêncio:
– Mary, estou arrependido por ter ficado tão irado. Realmente me sinto mal agora por lhe ter falado daquela maneira. Não sei por que fico tão nervoso às vezes. Consigo até sentir a raiva crescer dentro de mim para com as pessoas que eu tanto amo. Por favor, perdoe-me, e eu prometo me esforçar realmente para não repetir essas explosões.

Morneau diz que foi lindo ouvir a mulher admitir que ela era, pelo menos parcialmente, culpada por não tomar cuidado com as palavras, e que às vezes até sentia prazer em atacá-lo verbalmente.

Prometendo ser mais delicada no futuro, ela dá um beijinho no marido, sobe o vidro e os dois saem do carro para fazer compras.
Quando o esposo vai pagar pelo estacionamento, olha para suas moedas e, vendo que não tem o dinheiro suficiente, vira-se para a esposa e diz:
– Amorzinho, por gentileza, veja na sua bolsa se você tem mais umas moedas.

– Como eu poderia deixar de ajudá-lo quando você está me tratando como se trata uma dama? Jim, você já percebeu que não me chama de amorzinho desde que as crianças ainda eram pequenas?

Depois de fazer o pagamento, ela o toma pelo braço e, como recém-casados, entram na loja.

Passe de mágica? Conto de fadas? Para o canadense Roger Morneau, não. Na verdade, este é apenas um dentre muitos relatos reais descritos em seu livro “Respostas Incríveis à Oração”, da Casa Publicadora Brasileira.

Depois de sua conversão do satanismo ao cristianismo, espetacularmente relatada em outro livro, “Viagem ao Sobrenatural”, também publicado pela Casa, Morneau manteve por seis décadas um impressionante ministério de oração intercessória.

No final de “Respostas Incríveis à Oração”, ele diz: “Deus tem respondido a muitas de minhas orações pelos outros. Muitas outras Ele não pode. Orar pelos outros tem sido o chamado especial e o dom espiritual que Ele me concedeu em Seu serviço. Deus trabalha de maneira diferente na vida de cada pessoa. A maior parte do tempo, Ele responde às nossas orações de maneira bem menos espetacular do que as que eu relatei [neste livro]. Mas Ele aguarda as orações de todos os Seus filhos. Ele almeja que cada um de nós ore pelos que estão ao nosso redor.”


Segredo da oração eficaz

Para Morneau, o segredo da oração eficaz se encontra em Filipenses 2:5: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.” Mas o que significa isso? Significa pensar e sentir como Jesus pensa e Se sente a respeito da vida neste planeta caído, e começar a agir como Ele agiria se estivesse em nosso lugar.

Em outras palavras, é ter o estilo de vida resultante de uma mente justa como a dEle, em decorrência de íntima comunhão com Deus.

Muitos cristãos estão (re)descobrindo que a oração intercessória dá resultados. Por isso, procuram investir em ministérios de oração. Há na Internet vários sites, como o www.adjoi.com e o www.prayer.la, que mantêm um espaço para orações intercessórias.

Além disso, programas oficiais estão sendo organizados nesse sentido, em todo o Brasil, pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. A idéia é que os membros da igreja reservem alguns minutos cada dia, sempre no mesmo horário, para orar por assuntos como o fim da violência e a pregação do evangelho.


Exemplos bíblicos

Jesus deixou grandes exemplos de oração intercessória. Talvez o maior deles se encontre em João 17, quando orou por Seus discípulos e por todos os que viessem a crer em Sua mensagem. Daniel, no capítulo 9 de seu livro, também faz uma bela oração em favor de seu povo cativo em Babilônia.

No caso de Sodoma e Gomorra, Abraão conseguiu que Deus reduzisse para dez o número de justos necessários para que Ele salvasse essas cidades. Ló, o sobrinho do patriarca, escapou por pouco com as filhas. Este relato, que se encontra em Gênesis 18, mostra Deus expondo Seu plano para Abraão, como que o “provocando” para interceder pelas cidades ímpias.

Outro caso semelhante é o da intercessão de Moisés pelos hebreus. Enquanto o povo recém-liberto do Egito adorava o bezerro de ouro construído por Arão, Deus dialogava com Moisés, no alto do Monte Sinai (ver Êxo. 32:9-14). Deus propõe destruir o povo e fazer dos descendentes de Moisés uma grande nação. Moisés intercede pelos israelitas, e Deus Se arrepende ou muda de idéia.

Comentando este incidente, a escritora Ellen White diz que Moisés entendeu que as palavras de Deus para Moisés deixá-Lo destruir o povo não proibiam, mas, ao contrário, incentivavam a intercessão, implicando que somente as orações de Moisés poderiam salvar Israel.

É claro que o arrependimento divino não tem nada a ver com o humano. O verbo hebraico usado aqui é naham, diferente do verbo usado para descrever, por exemplo, o arrependimento do povo. Naham pode significar também “ter compaixão” ou “ter piedade”, o que faria melhor sentido neste contexto. Mas o que impressiona mesmo é o fato de que Deus respeita o livre-arbítrio humano e jamais age na vida de alguém sem que haja autorização.

E aí que entram os intercessores. É como se, ao pedirmos a Deus por alguém, O estivéssemos autorizando a atuar. Talvez por isso os cristãos sejam orientados a interceder por todas as pessoas (I Tim. 2:1). Existe poder na oração intercessória, porque é desinteressada. Ela se concentra nos outros. Afirma o poder de Deus para intervir na vida alheia. “A oração de um justo é poderosa e eficaz”, diz Tiago (5:16, NVI).


Intervenção divina

Os relatos bíblicos acima são apenas alguns dos muitos exemplos de pessoas notáveis que lutaram nas suas orações pelos outros. Também temos evidências do poder da oração intercessória através da história de pessoas impressionadas a orar por alguém, e que mais tarde descobriram que a pessoa por quem oraram estava em perigo. Um bom exemplo é o da família Martins.

Certa madrugada, há 5 anos, o professor de Geografia Zulmar José Martins, de Palhoça, SC, acordou sobressaltado e com a idéia fixa de orar pelo filho Robson, que saíra de carro com amigos para uma praia distante cerca de 30 km de sua casa.

Zulmar não sabia, mas naquela noite Robson e seus amigos acabaram se envolvendo em um grave acidente, que destruiu completamente o automóvel em que estavam. No entanto, os quatro amigos saíram ilesos.

Deus não pediria que orássemos se a oração não tivesse a força de mudar as circunstâncias. Por mais difícil que seja compreender como a oração funciona, é claro que ela tem poder. Richard J. Foster escreve:

“A oração intercessória é um ministério sacerdotal, e um dos mais desafiadores ensinos no Novo Testamento é o sacerdócio universal de todos os cristãos. Como sacerdotes, designados e ungidos por Deus, temos a honra de comparecer perante o Altíssimo em favor de outros. E isto não é opcional; é uma sagrada obrigação – e um precioso privilégio – de todos os que tomam o jugo de Cristo.”

Por isso, um dos melhores conselhos bíblicos é expresso em apenas três palavras: “Orai sem cessar” (I Tess. 5:17).


Princípios da oração intercessória

1. A oração intercessória é em prol da salvação e do crescimento espiritual. Ouvimos muito a respeito da oração pela salvação de uma pessoa querida. Mas não enfatizamos a oração contínua em prol do crescimento e do discipulado de alguém. Estamos mais preocupados em ter bebês do que em cuidar deles. Paulo orava pela salvação dos judeus (Rom. 10:1). E orava ainda mais especificamente pelo crescimento espiritual dos novos crentes (Efés. 1:16; 3:16; Col. 1:3 e 9).

2. Às vezes não devemos orar por algumas pessoas. Deus deu a Jeremias uma ordem que soa estranha aos nossos ouvidos: “Não Me peça mais para abençoar este povo; não ore mais em favor dele” (Jer. 14:11, A Bíblia Viva). Teria sido apropriado orar pelo arrependimento e pela salvação deles. Mas o povo de Jeremias de fato precisava da disciplina e das conseqüências resultantes de uma vida afastada de Deus. Se tenho uma pessoa amada que é um “pródigo”, devo concentrar minhas orações em sua vida espiritual mais do que em seu conforto e sucesso.

3. A oração intercessória é poderosa. Não podemos explicar racional e cientificamente por que nossas orações podem ajudar os outros. Tem-se dito que a oração não muda a Deus, muda a nós. Porém, a Bíblia diz que a oração tem muito poder (Tia. 5:16). Há muitas perguntas sobre o que está nos bastidores do grande conflito que ainda não foram respondidas. Mas Deus nos disse que orássemos, e prometeu que a oração teria efeito.

4. Devemos orar pela cura espiritual. Uma das descrições de Jesus é que Ele amou a justiça e odiou a iniqüidade (Heb. 1:9). Lutamos às vezes com o oposto. Às vezes amamos o pecado. Deus nos chama a partilhar nossas lutas com os amigos e a orarmos uns pelos outros. Prestar contas de nossa vida espiritual aos outros é fator importante. Não vamos muito longe sozinhos.
 

IMPRIMIR PÁGINA | FECHAR PÁGINA