SALMO 27 – O PARADOXO DO CRISTÃO

 

(O  HOMEM  DE  FÉ)

         Vamos começar com uma pergunta: Você já se sentiu muito confiante num dia, e no mesmo dia muito desanimado? Você já sentiu que tudo estava muito bem de manhã, e à tarde, tudo já estava muito mal? Você tem altos e baixos em sua experiência cristã?

      Pois Davi também teve a mesma experiência que você. O salmo 27 nos conta sobre o paradoxo da vida de Davi e, por inferência, ''O Paradoxo da vida Cristã''.

     O Salmo 27 é excelente para melhor compreendermos a natureza da fé do homem de Deus. O Salmo 27 apresenta o grande paradoxo da vida cristã: de um lado a fé é confiante e segura em Deus; de outro ela é totalmente dependente, humilde e submissa.

     Temos aqui neste salmo as 2 formas da fé:

1 - Primeiro (v. 1-6), Davi expressa sua inquebrantável confiança no Senhor, mesmo quando um poderoso inimigo o ameaça com a morte (v. 1, 2), e confessa sua completa certeza de vitória.

2 - Contudo, o Salmo 27 é um exemplo dramático de como a fé triunfante se torna a fé militante. Como isso ocorre? Essa mudança pode ser observada quando Davi primeiro fala acerca de Deus (v. 1-6), para depois falar diretamente a Deus (v. 7-12).

      Qual é, portanto, a mensagem do salmo? Este salmo é um hino à fé genuína; e como aprendemos sobre a natureza da fé verdadeira, vamos dar um 2o  título: ''O Homem de Fé.'' Podemos compreender facilmente a mensagem deste salmo nas seguintes divisões:

     – O homem de fé possui 2 coisas.

     – O homem de fé busca 3 coisas.

     As 2 coisas que possui são contrárias, paradoxais: Ele possui segurança como é visto na introdução e esperança como vemos na conclusão. Mas, se ele já possui segurança de salvação, como a espera? E há 3 coisas que busca, que são tão relacionadas entre si, que realmente são uma coisa só.

     Salmo 27:1-3: “O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei? Quando malfeitores me sobrevêm para me destruir, meus opressores e inimigos, eles é que tropeçam e caem. Ainda que um exército se acampe contra mim, não se atemorizará o meu coração; e, se estourar contra mim a guerra, ainda assim terei confiança.”

INTRODUÇÃO: O HOMEM DE FÉ TEM SEGURANÇA

     Davi é um homem de fé genuína, e ele expressa isso nas palavras iniciais deste salmo. Sua fé é confiante, tem plena certeza em seu coração, porque como disse Paulo aos Hebreus, fé é uma certeza, fé é uma convicção. Qual é o objeto da fé do rei Davi? É o próprio Deus, cujo nome é Jeová, palavra aqui traduzida por Senhor. O que significa Jeová para Davi? Quem é Deus para o homem de fé?

     V. 1"O Senhor é a minha Luz"  E nós que possuímos  a revelação cristológica deste salmo, podemos dizer sem engano:          Jesus Cristo é a minha Luz. Ele é o Sol da Justiça, Cristo é a Luz do mundo.

     Cristo é a Luz que espanca as trevas da ignorância, do desespero e do pecado. Ele elimina também as trevas da morte. Cristo pode iluminar o caminho do crente, pode ser a Fonte da vida, porque a razão de ser Cristo a Luz é porque Cristo é Fonte da vida, visto que a luz é fonte de vida para nós outros.

     Mas notem o possessivo "minha Luz". Para Davi Jeová não era apenas a Luz do mundo, o Sol da Justiça. Ele disse: "Jeová é a minha Luz." Isso significa uma religião pessoal com Deus. De fato, a verdadeira religião não consiste em formas, em cerimônias, em regras, em leis e mandamentos. A verdadeira religião está baseada num íntimo relacionamento com o Deus verdadeiro. Ele é o meu Deus, é a minha Luz, Ele me ajuda pessoalmente, individualmente.

     O que mais significa Jeová para Davi?

     "O Senhor é a minha Salvação" Esta primeira frase, e todo o salmo, estão arranjados em estilo poético em paralelismo sinônimo, que enfatiza poderosamente as boas novas de que o Deus de Israel é um Deus Salvador. Deus não é uma idéia abstrata ou uma especulação filosófica para Davi. Deus Jeová é uma Pessoa que lhe traz luz e salvação.

     E ele completa:

     "O Senhor é a Fortaleza da minha vida". Ou seja, Deus é o meu Refúgio, é o Lugar em que posso me abrigar em meio ao perigo.

     Estas são 3 afirmações acerca de Deus. Lembre-se de que Davi fala acerca de Deus nos Versos 1-6.

     Qual é a conclusão? Se Deus é a minha Luz, a minha Salvação, o meu Refúgio? A conclusão vem em forma de pergunta, que já contém em si uma resposta implícita: "De quem terei medo?" "A quem temerei?" Não haverá temor. Davi possui segurança. Davi não temia aos falsos deuses: eles não existem. Davi não temia aos homens: eles são fracos como a carne. Davi não temia os demônios: nada podem diante de Deus.

     Então, Davi apresenta 2 circunstâncias perigosas e expressa sua confiança.

     1. Ele não teme quando seus inimigos vêm como animais ferozes, famintos, prontos para devorar suas carnes. Ele não teme porque sabe que eles serão confundidos e se destruirão a si mesmos mutuamente.

     2. Ele não teme ainda que venha um exército completo a guerrear contra ele, porque ele sabe que a maioria sem Deus não pode nada, e a minoria com Deus tudo pode.

     Assim, Davi apresenta uma introdução ao Salmo 27, enfatizando que o homem de confiança em Deus tem segurança e não teme. Possui uma fé inabalável em Deus e nEle está completamente seguro.

     Agora notemos: O QUE BUSCA O HOMEM DE FÉ? 3 COISAS:

I – O HOMEM DE FÉ BUSCA A CASA DE DEUS

Versos 4-6: “Uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor e meditar no seu templo. Pois, no dia da adversidade, ele me ocultará no seu pavilhão; no recôndito do seu tabernáculo, me acolherá; elevar-me-á sobre uma rocha. Agora, será exaltada a minha cabeça acima dos inimigos que me cercam. No seu tabernáculo, oferecerei sacrifício de júbilo; cantarei e salmodiarei ao Senhor.”

     Notável é a determinação e simplicidade de propósito da fé de Davi: "Uma coisa peço." A consumidora paixão de sua vida é vista em apenas uma coisa. Davi não apresenta uma longa lista de pedidos. Ele simplesmente diz: "Eu peço uma só coisa ao Senhor e a buscarei." Ele queria uma só coisa, mas era determinado a buscar e conseguir. Disse Jesus certa vez a Marta: "Marta, Marta, andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário, ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada." Disse Jesus ao jovem rico: "Só uma coisa te falta."

     Qual a natureza dos nossos pedidos a Deus? Talvez estejamos pedindo muitas coisas e esquecendo o essencial, o mais importante.

     Davi pedia e buscava uma coisa só: "morar na Casa do Senhor." Davi não se refere ao tabernáculo terrestre, porque este ainda não havia sido construído. Salomão o construiu anos mais tarde. Ele se refere à própria habitação celestial, ele deseja morar na Casa de Deus no Céu. 

     1. POR QUANTO TEMPO? "Todos os dias da minha vida."

     Que estímulo poderoso para aqueles que não agüentam ficar na igreja por algumas poucas horas. Quantos há que após uma hora já estão querendo sair. Outros entram e saem muitas vezes. Parece que não têm muito prazer em estar na casa de Deus. Davi queria morar na casa de Deus todos os dias de sua vida.

     2. COM QUE PROPÓSITO?

     (1) "Para contemplar a beleza do Senhor". Davi crê que Deus é maravilhoso e gracioso no Seu templo. Davi deseja contemplar a beleza da santidade de Deus, e por isso pede e busca morar na casa de Deus. Poucos crentes hoje parecem ter descoberto tal atração em Deus; poucos é que possuem tal paixão por Deus.

     (2) Para "meditar no Seu templo". Naquela época, Davi sentia o poder da meditação na adoração. De que maneira Davi procurava adorar a Deus? Não na maneira como os pagãos estavam procurando: eles olhavam para uma imagem de escultura e dirigiam suas petições para aqueles ídolos. Hoje ainda, você pode visitar os templos hindus ou budistas e ver a face dos seus deuses.

     Os israelitas não tinham qualquer quadro de seu Deus. Contudo, o crente hebreu tinha um quadro mental do caráter de Deus, e quando ele trazia o cordeiro sacrificial, ele contemplava a beleza do caráter e santidade de Jeová. Davi deseja, portanto, contemplar pela fé e meditar no templo de Deus a respeito de sua beleza e santidade.

     (3) Para oferecer "sacrifício de júbilo" e cantar louvores a Deus. (v. 6). Aqui está um aspecto importante da vida de todo crente: Ele oferece a Deus sacrifício de júbilo – ele canta louvores a Deus, ele se sente alegre por estar na casa de Deus. Ele diz: "Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor." Você se alegra por estar na casa do Senhor? Você tem a alegria da salvação? Você pode dizer: "O Senhor é a minha Luz e a minha salvação?"  

     Com que propósito você vem à igreja? Alguns vêm para marcar um encontro social e ver os seus amigos. Alguns vêm simplesmente para satisfazer a vontade dos pais. Outros comparecem à igreja para mostrar como estão em dia com as modas do mundo ou reparar nas roupas dos seus irmãos. Outros ainda vêm ao templo de Deus para falar muitas coisas. Por que você vem à igreja? Qual é o seu propósito?

     Davi queria morar na casa de Deus para adorar em espírito e verdade, para contemplar a beleza do Senhor, para meditar no seu templo.      Você medita na igreja? Quão difícil em nosso tempo de tanta correria é encontrar pessoas meditando com a sua Bíblia, orando, vendo a Deus pela fé.

     Davi tinha uma fome e sede por Deus. Maria que escolheu a boa parte também tinha anseio por Deus, e ficou admirada assentada aos pés de Cristo para ouvir as Suas palavras. Ela deixou os deveres domésticos para ouvir a Jesus. Quando Cristo falou acerca de Deus, Maria estava ouvindo. Ela entesourou as palavras de Cristo como de supremo valor em sua vida.

     Podemos nós ouvir a Jesus como Maria? Sim, pela leitura cuidadosa do Evangelho de Mateus, Marcos, Lucas e João no NT. Estes vibrantes testemunhos nunca se tornam antiquados. Eles foram escritos não só para informar acerca dos fatos da vida de Jesus, mas para nos fortificar a fé para a vida eterna, para que crendo, tenhamos vida no nome de Cristo.      Esta é a força do cristão – meditar em Deus. Esta era a  força de Davi – contemplar a beleza do Senhor.

     O que acontecerá com tal homem no dia da adversidade? Ele há de temer? Ele há de fugir? Ele será destruído? De modo nenhum! Ele será salvo: "Deus me ocultará no Seu pavilhão", disse Davi. Deus me recolherá para um lugar seguro. Ele vai colocar a você sobre uma rocha. Ele vai exaltar a sua cabeça acima dos seus inimigos.

     O tempo da calamidade está se aproximando deste mundo. Virão as     7 últimas pragas, quando os juízos de Deus serão derramados sem misericórdia, vulcões ativos derramarão suas lavas destruindo jardins, campos, vilas e cidades; terremotos arrasarão metrópoles, mas Deus será o alto refúgio dos que O buscaram. (PP p. 110).

II – O HOMEM DE FÉ BUSCA A PRESENÇA DE DEUS

Versos 7-10: Ouve, Senhor, a minha voz; eu clamo; compadece-te de mim e responde-me. Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a tua presença. Não me escondas, Senhor, a tua face, não rejeites com ira o teu servo; tu és o meu auxílio, não me recuses, nem me desampares, ó Deus da minha salvação.   Porque, se meu pai e minha mãe me desampararem, o Senhor me acolherá.”

     Aqui terminaram as expressões de ousada confiança e alegre triunfo. Parece que acabou toda a plena convicção. Esta é a 2a. parte do Salmo 27, e o humor de Davi muda drasticamente. As exuberantes expressões de segurança subitamente dão lugar aos lamentos e humildes súplicas, diretamente a Deus.

     1. De que modo Davi ora a Deus? Não mais se vê a fé confiante, triunfante, mas agora é militante. Agora Davi ''clamava'' ao Senhor.

     Um pastor certa vez recebeu uma carta de uma jovem de Joaçaba, SC, onde, usando uma frase muito comum entre nós, ela disse entre outras coisas: "Pastor, ‘as minhas orações não passam do teto’. Não sinto que estou sendo ouvida. Parece que Deus está tão distante! Não sinto paz de alma. Estou passando por uma grande angústia! E Deus está tão longe, que parece que Ele nem Se importa comigo!"

     O que você deve fazer se isso lhe acontece? Como Davi orava? Ele clamava intensamente. Talvez isso seja a nossa necessidade: precisamos clamar, não só repetirmos orações vazias de fervor e de alma. Temos que derramar a nossa alma diante de Deus e clamar, insistir, perseverar.

     A seguir, Davi reconhece sua necessidade de perdão: "Compadece-Te de mim". Ele pede compaixão. O seu problema não são os seus inimigos, que ele menciona mais embaixo, o seu problema são os seus pecados. À semelhança de Jacó, Davi reflexionou: ''Se eu tiver algum pecado não confessado, o Senhor me abandonará. ‘Mas, Senhor, perdoa-me, não me rejeites na Tua ira (a ira de Deus vem sempre motivada pelo pecado); perdoa-me, e então serei salvo de todos os meus inimigos.’''

     Davi agora luta com Deus em oração. Ele sente o perigo de ser desamparado por Deus, em Sua ira, e ele suplica misericórdia, compaixão e perdão. Ele quer estar seguro do perdão, para que possa receber o Seu auxílio. "Tu és o meu Auxílio, ... ó Deus da minha salvação."

     Lutar com Deus em oração – quão poucos sabem o que isso significa. Ao invés de lutar com Deus em oração e obter vitória, estão lutando contra Satanás e obtendo derrotas. Nossa primeira luta é com Deus, para buscar Sua presença, e insistir em que Ele demonstre a Sua misericórdia e perdão.

     2. Que resposta obteve Davi? Será que ele teve alguma resposta?

    Verso 8: “Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a tua presença.”

     Aqui está a verdadeira oração: diálogo, não monólogo. A oração não é um monólogo, antes é um diálogo. Você fala diretamente a Deus, e vai embora? É isso que nós lemos no texto? Não, você fala a Deus, e Ele fala ao seu coração. Você fala, e quando termina, você espera um pouco até ouvir a voz de Deus no seu coração. Você sairá cheio de poder espiritual.

     Davi sentiu essa experiência: Ele ouvia a voz de Deus no seu coração e na sua consciência. O mesmo pode acontecer com você. Ore a Deus, clame a Deus e então fique esperando a voz de Deus; não se levante, não seja tão apressado em suas orações. Fique um pouco mais, desfrute da presença de Deus. E você terá as respostas que procura.    

      3. Qual foi a súplica de Davi?

     ''Senhor, compadece-Te de mim e responde-me.'' – A resposta de Deus é uma prova de Sua compaixão. ''Não me escondas a Tua face'' – Ele queria a aprovação divina, a Sua presença. ''Não rejeites com ira o Teu servo.'' Davi teme ser rejeitado por Deus devido aos seus pecados. Mas ao mesmo tempo, sua fé militante e tremente se apega a Deus como o Salvador de Sua própria ira: ''Ó Deus da minha salvação!''

     E ele adiciona uma palavra de segurança e fé em Deus: ''Se o meu pai e minha mãe me desampararem, o Senhor me acolherá!''

     Alguns anos atrás uma jovem senhora se empregou como uma das enfermeiras para cuidar de um paralítico – que era um homem rico que se dedicava às corridas de cavalos. A vida dela era despreocupada, mas sob a atração do Espírito Santo se desenvolveu em seu coração o anelo de encontrar a Deus e o verdadeiro significado da vida. Visitava algumas igrejas, mas não encontrava paz.

     Uma noite, quando ela deixava seu turno, encontrou-se com uma enfermeira adventista que cuidava das crianças naquele lar. Sua conversação logo girou sobre temas religiosos e a senhora adventista compartilhou sua fé com a recém conhecida, que estava tão sedenta da água da vida. O pastor local lhe deu os estudos bíblicos. Ao mesmo tempo em que o ministro habilmente esboçava o quadro da verdade, ela muito contente escreveu aos seus pais com entusiasmo sobre sua nova fé.

     Inesperadamente seus pais a chamaram e questionaram suas novas crenças. Advertiram-na severamente que devia abandonar essa nova religião esquisita ou sua mãe sofreria um choque nervoso. A família era muito unida; por isso, a prova foi severa e a luta era intensa. Então, num dia, como uma resposta vinda do Céu, em meio à luta, sem saber o que fazer, em sua angústia, ela leu as palavras do salmista: "Porque, se meu pai e minha mãe me desampararem, o Senhor me acolherá." (Sl 27:10). Daí, sentiu forças para tomar a decisão final a favor de Cristo.

     A enfermeira jamais lamentou sua decisão de ser fiel a Deus. Embora seus pais nunca aceitaram a fé que ela amava, chegaram a ver com orgulho o serviço de sua filha no campo missionário e em instituições denominacionais em sua própria terra. Com efeito, Deus também jamais abandonará a você, aconteça o que acontecer.

III – O HOMEM DE FÉ BUSCA O CAMINHO DE DEUS

Versos 11, 12: “Ensina-me, Senhor, o teu caminho e guia-me por vereda plana, por causa dos que me espreitam. Não me deixes à vontade dos meus adversários; pois contra mim se levantam falsas testemunhas e os que só respiram crueldade.”

     Davi ainda temeroso – não é mais aquele que disse: "O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo?". Agora ele está temeroso, ele pode ver as hostes inimigas que se levantam contra ele.

     Então ele pede, busca a orientação divina: "Senhor, ensina-me o teu caminho." Senhor, qual é a Tua orientação? Ele havia dito: "O Senhor é a minha Luz". Agora pede: "Senhor, ensina-me o teu caminho." Mas Davi não sabe que o caminho é Deus mesmo? Olhe com fé para Deus e você saberá o caminho. Cristo disse: "Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida." (Jo 14:6).

 Este é o grande paradoxo na vida cristã. Davi no princípio tem a certeza da salvação, e da vitória nos versos 1-6. Agora, nos versos 7-14, ele se mostra temeroso. Davi ouviu de suas falsas testemunhas, e teme ser afligido pelos seus inimigos. Este é o paradoxo.

     Muitas vezes a fé descansa em Deus e está confiante – o cristão não teme nada. Outras vezes, a fé está em luta com o inimigo, então o cristão parece temeroso, ele se humilha diante de Deus e pede a Sua presença, e com isso, a Sua misericórdia, pede a Sua orientação, ele quer saber do caminho de Deus, e ele espera pacientemente em Deus, e vence o desespero que o ameaçava.

     Finalmente, o salmo tem também uma conclusão. Este é um salmo didático: possui introdução, corpo e conclusão.

CONCLUSÃO: O HOMEM DE FÉ TEM ESPERANÇA

Versos 13,14: “Eu creio que verei a bondade do Senhor na terra dos viventes. Espera pelo Senhor, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo Senhor.”

     Esta é a conclusão. Davi estava em desespero, mas agora a convicção e a esperança renascem da fé confiante. O Verso 13 apresenta a convicção: "Eu creio". Eu sei que verei no futuro a bondade de Deus. Ele tinha fome da bondade divina. Ele mesmo foi quem disse no salmo 23: ''Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre.'' O Verso 14 apresenta a esperança: "Espera pelo Senhor". O cristão se reanima da crise para a esperança e vai se fortalecendo.

     Aqui na conclusão, novamente o paradoxo: Quando Davi fala de Deus (v. 1-6), sua fé é forte; quando Davi fala de si mesmo, sua fé é fraca, mas vai descansando em Deus. No 1.º verso, Davi fala de certeza de salvação; no último, de esperança. Ora, se ele já possui a salvação no v. 1, como a espera no v.14?

     Moody certa vez disse: "Quando penso em mim mesmo, não vejo como posso me salvar; quando penso em Jesus, não vejo como posso me perder."

     Foi o que ocorreu com o salmista: Quando contemplava a Deus, tinha certeza de salvação; quando contemplou a si mesmo, ainda tinha que esperá-la. Davi, como vimos, ilustra a história do homem de fé. Ele tem certeza de salvação, mas ele também a espera.

     O homem de fé busca a Casa de Deus, a Presença de Deus, o Caminho de Deus, e isso tudo é uma só coisa: O homem de fé tem sede de Deus, e ele O busca ansiosamente.

     Essa é a nossa vida cristã. Se você teve altos e baixos em sua experiência, isso teve Davi, Paulo e todos os cristãos. E se você agora atravessa uma fase difícil, "espera pelo Senhor, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo Senhor." (verso 14)

     Então você poderá dizer: “O Senhor é a minha Luz e a  minha Salvação.  De quem terei medo? O Senhor é a Fortaleza da minha vida; a quem temerei?”

 

Pr. Roberto Biagini

Mestrado em Teologia

prbiagini@gmail.com